Não fazer um controle de estoque eficiente e rigoroso agora pode levar sua farmácia à falência durante a crise do Coronavírus!

Descubra como reduzir os custos da sua farmácia durante a crise econômica com um controle de estoque eficiente!

Sua farmácia sentiu o que era não ter a previsibilidade que a crise da pandemia trouxe em relação aos negócios.

Muitos podem até achar que as farmácias “se deram bem”, e que estão faturando muito neste momento, mas você sabe que a realidade é outra.

Muita coisa mudou, e sabemos que sua gestão precisa mudar se quiser sobreviver economicamente a este período incerto.

Sendo assim, vamos te ajudar a fazer um controle de estoque eficiente para se adequar à crise e reduzir os custos – que você talvez nem saiba que tem!

E então, vamos lá? Boa leitura!

Wr Gif Como Reduzir Os Impostos Pagos De Sua Farmacia Ou Drogaria - Contabilidade em Goiânia Goiás | WR Contabilidade e Consultoria

Como fazer um controle de estoque eficiente para driblar a crise da pandemia?

Com a pandemia do Coronavírus, as farmácias assumiram uma posição muito complexa para a sociedade e, por isso, você, como gestor, precisa tomar as medidas necessárias para que a sua administração consiga suprir essa nova demanda – inclusive, no que diz respeito ao seu controle de estoque.

Por isso, vamos apontar aspectos fundamentais sobre essa tarefa administracional, para que a sua farmácia passe pela crise sem colocar em risco a saúde das pessoas e da sua empresa!

Reveja sua nova demanda

Primeiramente, o seu controle de estoque não é o mesmo de antes, e gerenciar sua farmácia com os mesmos padrões de antes da crise é o caminho para falir.

Por isso, é necessário analisar a sua nova demanda: o que mais sai? O que não? O que é fundamental disponibilizar para a população?

Com isso em mente, faça novos padrões e estabeleça métricas que atendam às necessidades atuais.

Faça a contagem dos itens 

Contar é algo inerente de um controle de estoque, sendo assim, fazer esse procedimento de maneira fiel à realidade – e o refazer – é crucial agora.

Assim, você poderá conferir os números exatos dos itens da sua farmácia e, além disso, apurar a demanda que tem tido para cada produto.

Adeque seus novos pedidos

Com as informações das novas movimentações, redirecione os seus pedidos.

Avalie se as suas antigas solicitações estão contemplando itens não essenciais – que poderiam ser redirecionados para os que são.

Fique de olho em preços abusivos

Não importa o momento: grandes demandas causam preços abusivos, é claro, se não supervisionados.

Portanto, caso a sua farmácia esteja sendo refém de preços acima do estabelecido, faça a denúncia imediatamente ao Procon e não repasse essa diferenciação ao consumidor final!

Estabeleça “graus de importância”

Em tempos de crise, é complicado manter todos os produtos fornecidos em grande quantidade, por isso, seu controle de estoque precisa contemplar os itens de maior demanda para amparar as pessoas durante a crise.

Sendo assim, estabeleça os itens emergenciais para combater a pandemia como “prioridade máxima”, dessa forma, será possível providenciá-los para todos.

Confie em quem sabe como fazer a sua farmácia passar por momentos difíceis!

Agora, é claro que ninguém possui uma resposta certa para uma saída “sem prejuízos” da crise, e seria irreal que te prometessem isso.

Então, nós, da WR, não oferecemos uma salvação milagrosa para o seu empreendimento, mas um serviço contábil especializado na sua farmácia e, além disso, em passar por momentos difíceis e usá-los como mais um aprendizado para o futuro.

Se você quiser realmente manter sua farmácia funcionando da melhor maneira possível, evitar prejuízos e reduzir custos, confie em uma contabilidade que está pronta para enfrentar os tempos difíceis junto da sua empresa!

Entre agora em contato com a gente e reduza os custos sem se descuidar a população e da pandemia!

QUERO REDUZIR OS CUSTOS DA MINHA FARMÁCIA!

Dinheiro é parte da linha de crédito de R$ 40 bilhões anunciada pelo governo para financiar pagamento de salários de pequenas e médias empresas durante a crise do coronavírus.

Dos R$ 40 bilhões da linha de crédito anunciada no final de março pelo governo federal para financiar salários de pequenas e médias empresas durante a crise do coronavírus, o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) informou nesta quarta-feira (22) que aprovou R$ 66 milhões em empréstimos para 3.770 empresas.

O balanço do BNDES compreende os empréstimos aprovados até segunda-feira (20). Na média, o valor dos empréstimos concedidos é de R$ 17,5 mil por empresa.

De acordo com o BNDES, os R$ 66 milhões estão distribuídos entre empresas dos seguintes setores:

  • Comércio e Serviços (77%)
  • Indústria de transformação (22%)
  • Agropecuária e pesca + Indústria extrativa (1%)

O programa de financiamento de salários entrou em vigor no último dia 6 e se destina somente a pequenas e médias empresas, com faturamento anual entre R$ 360 mil e R$ 10 milhões. Quando foi anunciado, no último dia 27, o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, afirmou que o programa beneficiaria 1,4 milhão de pequenas e médias empresas, com cerca de 12,2 milhões de funcionários.

O dinheiro pode financiar, no máximo, dois salários mínimos por trabalhador. Isso significa que, quem já tem remuneração de até dois salários mínimos (R$ 2.090), continuará a ter o mesmo rendimento. Entretanto, para os funcionários que ganham acima disso, o financiamento ficará limitado aos dois mínimos.

No caso de um funcionário que ganhe, por exemplo, R$ 5 mil por mês, vai ficar a critério da empresa complementar o valor acima de dois salários mínimos.

O programa prevê ainda carência de seis meses para que a empresas comece a pagar o empréstimo, que terá juros de 3,75%.

Como contrapartida, as empresas que contratarem essa linha de crédito não poderão demitir funcionários pelo período de dois meses.

O BNDES avalia que a procura das empresas pela linha de crédito deve aumentar nos próximos dias, com a aproximação da data de pagamento dos salários.

“É importante ressaltar que o pagamento da folha se dará a partir do dia 5, e as empresas podem solicitar o crédito do salário de abril até o dia 4 de maio”, informou BNDES em nota.

G1 - Abrir Empresa Simples

Fonte: G1

Fonte: G1