5 impostos que toda empresa deve recolher

Todos os empresários aparentam indignados e insatisfeitos com a alta carga tributária que deve ser recolhida todos os meses no Brasil.

Esse é um dos principais pontos que devem ser compreendidos por aqueles que desejam ter uma empresa de sucesso, com uma gestão financeira organizada e em conformidade com a lei.

Sendo assim, é preciso ter consciência de que todo negócio irá gerar custos inevitáveis, por isso é fundamental estar preparado para disponibilizar todos os recursos necessários e em tempo de serem quitados dentro do prazo.

Isso porque, há consequências para as empresas que não cumprem a parte no pagamento de impostos, como a incidência de multas, falta de crédito em bancos, problemas judiciais junto à Receita Federal, Secretaria Municipal ou Secretaria Estadual, entre outros.

Todo o processo pode ser otimizado ao contar com o apoio de uma assessoria contábil.

Mas antes de mais nada, é preciso saber quais são os principais impostos devidos pelas empresas brasileiras, e como eles funcionam.

INSS – Previdência Social

A taxa da Previdência Social através do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), deve ser paga em dia por todas as empresas que possuem funcionários registrados no regime da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT).

Isso porque, é através do INSS que é possível obter benefícios como o auxílio-doença, salário-família, salário-maternidade, pensão por morte, além do principal que são as aposentadorias.

Este imposto foi criado no ano de 1988 e desde então, a empresa deve pagar uma alíquota de 20% à autarquia, sobre o valor total do salário pago aos funcionários ou demais pessoas físicas prestadoras de serviços, mas que não possuem vínculos empregatícios com o empreendimento.

É importante destacar que neste caso, a empresa está apta a deduzir uma porcentagem desta taxa de 20% da folha de pagamento do trabalhador, que pode variar entre 8% a 11% conforme o salário.

PIS/Pasep

O intuito deste imposto é assegurar os recursos destinados ao seguro-desemprego e ao abono salarial anual.

No entanto, este imposto deve ser pago integralmente pela empresa, sem haver a dedução no holerite do trabalhador.

É importante mencionar que existem três maneiras de contribuir com o Programa de Integração Social (PIS) e o Programa de Formação do Patrimônio do Servidor Público (Pasep), são elas:

  • Sobre a Importação;
  • Diante do faturamento – 0,65 ou 1,65%;
  • Sobre a folha de pagamento – 1%.

ICMS

O Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) é devido pelas empresas que atuam mediante a venda de mercadorias ou prestação de serviços, o qual deve ser recolhido mensalmente com base no faturamento da empresa.

É importante dizer que cada estado tem uma alíquota própria, a qual pode variar entre 7% a 18%.

Além da incidência sobre as mercadorias, o ICMS também é aplicado às empresas que prestam serviços de telecomunicação e transportes.

Cofins

A Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (Cofins) é um imposto devido por todas as empresas brasileiras, exceto aquelas optantes pelo regime tributário do Simples Nacional.

Este imposto é destinado ao financiamento de programas a cunho de seguridade social e saúde pública, o qual deve ser cobrado sobre o faturamento bruto da empresa com alíquotas que podem variar entre 3% a 7,6%.

IRPJ

Todas as empresas registradas em território brasileiro devem pagar o Imposto de Renda de Pessoa Jurídica (IRPJ), com exceção dos Microempreendedores Individuais (MEI).

Vale ressaltar que não importa a renda bruta, muito menos o porte da empresa, pois este tributo possui dois tipos de alíquotas, que são elas:

  • 6% recolhido sobre o lucro acumulado inflacionário;
  • 15% recolhido sobre o lucro real;

Além do mais, esta declaração deve ser feita trimestralmente ou anualmente.

Por fim, é válido mencionar que ainda existe uma variedade de outros tributos a serem pagos pelas empresas a nível municipal, estadual e federal.

No entanto, a incidência de cada um deles irá depender de vários critérios, entre eles, faturamento, tipo de atividade, entre outros.

De qualquer forma, o aconselhável é contar com uma assessoria contábil especializada visando obter orientações corretas e adequadas para evitar problemas com o fisco.

PARA MAIS INFORMAÇÕES ENTRE EM CONTATO CONOSCO

Entenda como funciona o regime de tributação do Lucro Real e saiba quais são as alíquotas incidentes a ele!

Lucro real, você conhece esse sistema de tributação e suas alíquotas?

Conheça mais sobre o assunto hoje e esteja pronto para acertar no alvo da lucratividade!

Vivemos numa era, onde precisamos estar sempre atentos a tudo e todos! E quando se fala no bolso, qualquer economia que seja obtida, vira lucro, concorda?

Assim, nasce o sistema tributário do lucro real, você o conhece e sabe como ele funciona?

Vejamos a partir de agora!

Lucro real e empresas de grande porte

Qualquer empresa pode fazer o uso do lucro real, muito embora, as grandes sejam as mais favorecidas, visto que mesmo quando não há lucro, ainda nesse caso, a empresa se resguarda do pagamento de alguns impostos!

Confira Nossos Serviços - Contabilidade em Goiânia Goiás | WR Contabilidade e Consultoria

E quais são os tributos do lucro real?

  • IRPJ – Imposto de renda pessoa jurídica;
  • CSLL – Contribuição social sobre lucro líquido;
  • PIS;
  • COFINS;
  • ISS – Imposto sobre serviços de qualquer natureza;
  • ICMS – Imposto sobre operações de serviços de transporte interestadual e intermunicipal e de comunicação. 

Os impostos no lucro real são pagos separadamente, além disso:

  • Alguns dos tributos são calculados com base no lucro líquido em determinado período da empresa;
  • Através do lucro líquido, é preciso aplicar alguns valores ou ainda excluir da base de cálculo, por isso a importância de ter uma contabilidade especializada ao lado, para melhor proveito dos seus negócios!
  • A excelente notícia é que, se durante o período sua empresa não tiver obtido lucro, fica, então, ausente de pagar os impostos, o que por si só é uma excelente vantagem de não haver pagamento e nem prejuízos.

De forma geral, o lucro real é um dos melhores regimes, quando você possui o apoio de contador qualificado que ajuda o seu negócio a crescer e prosperar, pois através de um planejamento tributário, é possível ter muitos benefícios fiscais! 

E as alíquotas dos impostos do lucro real?

  • IRPJ – 15%;
  • CSLL – 9%;
  • Adicional de 10%, sempre quando o valor exceder a 20 mil reais dentro de um mês;
  • PIS – 1,65%;
  • COFINS – 7,60%.

O PIS e COFINS são tributações que devem ser recolhidas dentro de cada mês e que incidem na receita bruta. Lembrando que ambos não são cumulativos.

A importância da contabilidade especializada no lucro real para empresas

Às vezes, não se dá a devida importância a uma área da empresa que é tão vital à saúde dos negócios!

Sim, estamos falando da contabilidade empresarial, pois, é a partir dela, que se torna possível encontrar indicadores financeiros e, assim, começar um planejamento tributário capaz de gerar melhores e maiores economias dentro da organização, validando e trazendo soluções estratégicas, tanto a nível de custos, como de fiscalização, tributação e de performance.

É preciso destacar que, mais do que nunca, uma assessoria contábil de ponta, traz melhores condições para que a empresa consiga se desenvolver como precisa!

Mas somente com o apoio desse tipo de empresa contábil é possível gerar bons negócios e crescimento!

Portanto, se você precisa melhorar seus resultados financeiros empresariais e quer aquela “mãozinha” as questões voltadas a rentabilidade e lucratividade, além de ter ajuda nos contextos de menor tributação em sua empresa, venha falar conosco!

Nós podemos e queremos te ajudar!